- Publicidade -
- Publicidade -
17.1 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Secretaria de Saúde de Balneário Camboriú planeja várias ações para impedir avanço da dengue 

O primeiro Mutirão será neste sábado, 3, das 8h às 12h, no Bairro Nova Esperança, que lidera os focos positivos do Aedes aegypti

O secretário de Saúde de Balneário Camboriú, Omar Tomalih, disse que várias ações estão sendo preparadas para impedir o avanço dos casos positivos da dengue no município, a exemplo do que ocorreu no ano passado. 

Neste mês de janeiro, foram confirmados 11 casos positivos contra dois em janeiro de 2023. 

“Esse grande aumento de focos é preocupante. Em janeiro do ano passado tivemos 120 focos e  neste ano, já passamos dos 200. Queremos impedir que se repita a situação do ano passado, quando tivemos dois, três mil casos em abril, que é o mês que normalmente apresenta maior número de casos”, disse Tomalih.

- Publicidade -

Mutirão é sábado

Segundo o secretário, algumas ações já começaram e outras estão sendo organizadas. 

O mutirão que estava previsto para sábado passado (27) não aconteceu, por causa da chuva e está programado para este sábado (3), no Bairro Nova Esperança, onde está concentrado o maior número de focos: dos 172 focos registrados neste ano em Balneário Camboriú, 29 estavam no Nova Esperança (o Centro apresentou 30, no entanto, está subdividido em cinco áreas).

O mutirão servirá para orientar e pedir que a população faça a sua parte na prevenção. 

“As pessoas devem permitir que os agentes entrem nas casas, todos estão uniformizados. Além dos mutirões, a implementação da telemedicina, para atendimento da população já começou, faz parte destas medidas, estamos comprando testes rápidos, repelentes, acredito que mais uns 15 dias tudo estará pronto pra enfrentar essa nova onda”, disse Tomalih.

Medidas de combate

Secretário Tomalih e prefeito Fabrício nas ruas  pedindo a colaboração da população em 2023 (Divulgação/PMBC)

Em meados de 2023, Balneário Camboriú tinha mais de quatro mil casos  de dengue e para controlar a situação, houve uma intensa programação de mutirões, visitas a domicílio, escolas e empresas, palestras, caminhadas no centro e nos bairros, pedindo a colaboração da população. 

Para evitar o ‘alastramento’ dos casos positivos, o secretário Tomalih anunciou várias ações que deverão estar funcionando nos próximos dias. Acompanhe e já comece a fazer a sua parte:

  1. Criação da sala de situação para o acompanhamento da situação da dengue em Balneário Camboriú.
  2. Abertura do Centro Municipal de Tratamento da Dengue.
  3. Distribuição de mais de 20 mil repelentes para a população de BC, através da atenção básica de saúde e dos agentes comunitários.
  4. Compra de testes rápidos para acelerar o diagnóstico da doença e entrar com o tratamento de forma imediata.
  5. Chamamento de mais agentes de endemias para ajudar a fiscalização na cidade. 
  6. Alterações na legislação para aplicar medidas mais severas em caso de não cumprimento das notificações impostas pelos agentes da dengue.
  7. Parceria com a Secretaria de Obras para a limpeza dos terrenos baldios.
  8. Lançamento de campanhas publicitárias para a conscientização das pessoas em relação aos cuidados com a dengue.
  9. Intensificação da aplicação do fumacê nas áreas com focos positivos da dengue.
  10. Reuniões com as entidades de classes, sindicatos e presidentes associações de bairros…etc para participarem dos mutirões e das ações na prevenção e combate ao mosquito da dengue.

Casos confirmados

Em 2024, até o momento, foram confirmados 11 casos de dengue em pessoas residentes em Balneário Camboriú – três autóctones (quando a doença é contraída na cidade), três indeterminados (não houve a identificação sobre o local onde a pessoa contraiu o vírus), dois importados (quando a doença foi contraída em outra cidade) e um em investigação de Local Provável de Infecção (LPI). 

- Publicidade -

Além desses registros, 24 turistas positivos para dengue passaram a fase de viremia no município, ou seja, estavam em Balneário Camboriú no período de transmissão da dengue.

Prevenir antes que seja tarde

A Secretaria da Saúde orienta que a população ajude a eliminar os criadouros, é a principal forma de prevenção.

 O uso de repelentes, principalmente por aqueles que apresentam sintomas, também é uma maneira de impedir a disseminação do vírus da dengue.

  • Elimine qualquer objeto que possa acumular água, como as partes de garrafas de vidro utilizadas em cima dos muros;
  • Evite cultivar plantas que acumulam água, como bromélias;
  • Mantenha a caixa d’água com a tampa completamente vedada;
  • Cubra o extravasor de água (popularmente conhecido como ladrão) com tela e retire a água da laje;
  • Mantenha as calhas limpas e secas, com inclinação adequada para o escoamento total da água;
  • Não esqueça de manter sempre vedados os locais de armazenamento de água, e lave com escova a parte interna, pelo menos, uma vez por semana;
  • Não acumule pneus velhos. Se tiver pneus, mantenha-os secos e abrigados da chuva;
  • Mantenha os ralos vedados e desentupidos;
  • Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se for usá-los, coloque areia até a borda;
  • A água da piscina precisa ser tratada com cloro, ao menos, uma vez por semana;
  • Troque a água dos animais diariamente e lave com escova os potes de água e comida uma vez por semana;
  • Descarte o lixo corretamente. Acondicione-o em sacos bem vedados e fora do alcance dos animais até o recolhimento.
  • Para fazer a denúncia de locais com suspeita de foco do mosquito, é preciso entrar em contato com a Ouvidoria Municipal por meio dos números: (47) 3267-7024 e (47) 9 9982-1979 (WhatsApp) ou no 0800 644 3388.

Sintomas

Os principais sintomas são febre, cefaleia, mialgia (dor muscular), artralgia (dor nas articulações), dor de cabeça. Podem ocorrer, também, náuseas, vômitos e manchas vermelhas na pele. Em algumas pessoas, a doença pode evoluir para formas graves, apresentando manifestações hemorrágicas. A dengue é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectada com o vírus. O Aedes aegypti também é transmissor do vírus da zika e da chikungunya.


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -