- Publicidade -
13.3 C
Balneário Camboriú

Todas as regiões de Santa Catarina estão em nível de alerta gravíssimo para Covid-19

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -

A preocupação de infectologistas cada vez que acontece um feriado prolongado mais uma vez se confirmou. A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste sábado (12) que as 16 regiões estão em alerta gravíssimo (vermelho), indicando uma piora da semana passada para esta.

Como exemplo destaca as regiões da Grande Florianópolis, Nordeste e Médio Vale do Itajaí que estavam em nível grave (laranja) e agora estão em alerta gravíssimo, como as demais 13 regiões que continuam na cor vermelha.

- Publicidade -

A diretora de Tecnologia da Informação e Governança Eletrônica da SES, Bianca Vieira, destaca que a taxa de ocupação de UTIs no Estado está com risco máximo em todas as regiões.

Foi constatado aumento considerável no índice de transmissibilidade em todo o Estado.

“Possivelmente fruto do feriado prolongado”, afirma Bianca Vieira.

Nova onda?

A diretora da Secretaria alerta sobre a possibilidade de estar em andamento uma nova onda, reforçada pela queda das temperaturas que afeta a imunidade das pessoas.

- Publicidade -

“É importante reforçar à população a necessidade de se vacinar, independentemente da vacina disponível, pois talvez estejamos à frente de uma das maiores ondas no Estado de Santa Catarina, sem ainda termos nos recuperado dos impactos causados pela última onda de fevereiro e março no sistema hospitalar”, afirmou.

Campanha Regional

Nesta sexta-feira (11) durante visita para verificar a situação das obras do Complexo Madre Teresa e a situação dos leitos de UTI e leitos clínicos covid-19 no hospital Marieta Konder Bornhausen, o presidente da AMFRI e prefeito de Porto Belo, Emerson Stein, se deparou com outra preocupação: a aderência à vacinação que precisa ser maior.

“Há uma grande preocupação de todos os municípios da AMFRI em relação a essa questão, de muitos não tomarem a segunda dose, e de outros não tomarem nem a primeira, por não aceitarem tomar a vacina disponível”, afirma Emerson.

O Consultor em Gestão da AMFRI, José Luiz Demantova, que acompanhou o presidente Emerson e o Secretário Executivo da AMFRI, Célio José Bernardino à visita no Marieta, disse que na reunião foi discutido que o foco no momento não é o aumento de leitos de UTI, mas sim reduzir os casos ativos de Covid-19, para diminuir a ocupação de leitos de UTI e isso só será possível com a vacinação.

“O presidente da Amfri então determinou que fosse feito um estudo para promover uma campanha de conscientização nos 11 municípios da Amfri para motivar as pessoas a tomar vacina e informar a população sobre a importância da imunização em massa, independente da vacina disponível, uma vez que todas têm eficácia. Estamos notando que as vacinas estão chegando, os municípios estão avançando com a ampliação dos grupos de forma bem célere, mas a adesão à imunização precisa ser maior”, afirmou Demantova.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -