Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Geral
Manifestação em prol de Mari Ferrer acontece domingo em Balneário Camboriú

Sexta, 6/11/2020 15:18.
Divulgação
Mariana e o empresário Aranha

Publicidade

Um grupo de mais de 100 mulheres está se articulando e realiza no domingo (8), das 13h às 16h, na praça Almirante Tamandaré, um ato em apoio à influenciadora e promotora de eventos Mariana Ferrer, estuprada pelo empresário André de Camargo Aranha em dezembro de 2018, em um beach club em Florianópolis.

Nesta semana, o caso voltou a ser comentado, porque o vídeo da audiência onde Aranha foi absolvido pelo juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, foi divulgado. A absolvição aconteceu em setembro, por ‘falta de provas’, mas o que mais chamou a atenção nas imagens foram os ataques que Mariana sofreu por parte do advogado de defesa do empresário, Gastão da Rosa Filho.

Manifestações locais integram movimento nacional

Durante a semana, houve manifestação em frente ao prédio do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em Florianópolis, e no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Em Balneário, as organizadoras pedem que quem for leve cartazes e use preto. Em Itajaí haverá um ato, também às 13h, em frente à Igreja Matriz da cidade. Diversas manifestações estão sendo marcadas para o final de semana por todo o país.

Relembre

O que mais gerou revolta no público foi a expressão ‘estupro culposo’, algo que não existe e que foi citado pelo The Intercept Brasil, primeiro portal a divulgar o vídeo da audiência – vale destacar que o termo não foi utilizado no processo –, onde o advogado Gastão aparece mostrando fotos de Mariana em posições que ele define como ‘ginecológicas’, além de alegar que o choro dela era falso. Mariana pediu por respeito, e em lágrimas, solicitou o apoio do juiz, que em momento algum interrompeu o ataque do advogado do empresário.

A audiência do vídeo ocorreu em julho, com a absolvição de Aranha divulgada em setembro. As alegações finais foram de que o acusado, o empresário, não tinha como saber se a jovem, Mariana, estava ou não em condições de consentir a relação sexual, citando que não teria havido ‘intenção de estuprar’ – a partir disso que o The Intercept citou a expressão ‘estupro culposo’. Isso gerou diversas mobilizações no meio virtual, com hashtags e diversas personalidades famosas apoiando Mariana.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Mariana e o empresário Aranha
Mariana e o empresário Aranha

Manifestação em prol de Mari Ferrer acontece domingo em Balneário Camboriú

Publicidade

Sexta, 6/11/2020 15:18.

Um grupo de mais de 100 mulheres está se articulando e realiza no domingo (8), das 13h às 16h, na praça Almirante Tamandaré, um ato em apoio à influenciadora e promotora de eventos Mariana Ferrer, estuprada pelo empresário André de Camargo Aranha em dezembro de 2018, em um beach club em Florianópolis.

Nesta semana, o caso voltou a ser comentado, porque o vídeo da audiência onde Aranha foi absolvido pelo juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, foi divulgado. A absolvição aconteceu em setembro, por ‘falta de provas’, mas o que mais chamou a atenção nas imagens foram os ataques que Mariana sofreu por parte do advogado de defesa do empresário, Gastão da Rosa Filho.

Manifestações locais integram movimento nacional

Durante a semana, houve manifestação em frente ao prédio do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), em Florianópolis, e no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Em Balneário, as organizadoras pedem que quem for leve cartazes e use preto. Em Itajaí haverá um ato, também às 13h, em frente à Igreja Matriz da cidade. Diversas manifestações estão sendo marcadas para o final de semana por todo o país.

Relembre

O que mais gerou revolta no público foi a expressão ‘estupro culposo’, algo que não existe e que foi citado pelo The Intercept Brasil, primeiro portal a divulgar o vídeo da audiência – vale destacar que o termo não foi utilizado no processo –, onde o advogado Gastão aparece mostrando fotos de Mariana em posições que ele define como ‘ginecológicas’, além de alegar que o choro dela era falso. Mariana pediu por respeito, e em lágrimas, solicitou o apoio do juiz, que em momento algum interrompeu o ataque do advogado do empresário.

A audiência do vídeo ocorreu em julho, com a absolvição de Aranha divulgada em setembro. As alegações finais foram de que o acusado, o empresário, não tinha como saber se a jovem, Mariana, estava ou não em condições de consentir a relação sexual, citando que não teria havido ‘intenção de estuprar’ – a partir disso que o The Intercept citou a expressão ‘estupro culposo’. Isso gerou diversas mobilizações no meio virtual, com hashtags e diversas personalidades famosas apoiando Mariana.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade