- Publicidade -
- Publicidade -
20.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Desenvolvimento imobiliário em Balneário Camboriú: construtoras opinam sobre o futuro da cidade

Balneário Camboriú que neste mês comemora 59 anos, possui hoje o metro quadrado mais valorizado do Brasil, o que deve ser potencializado com a reurbanização da Avenida Atlântica, prevista para iniciar em breve, em um trecho na Barra Sul. 

A cidade é conhecida por seus arranha-céus, concentrados na área central, mas isso pode mudar com o Plano Diretor, que prevê a construção de prédios mais altos nos bairros, empreendimentos diferenciados para atender aos moradores da cidade, que não conseguiriam adquirir imóveis milionários como os construídos no Centro. 

Nesta edição comemorativa aos 59 anos do município, a reportagem do Página 3 ouviu empresários  da construção civil da cidade, o presidente do Sinduscon, o secretário municipal do Planejamento, para saber como veem o futuro de Balneário Camboriú, os desafios da verticalização e da infra-estrutura que não consegue acompanhar o seu vertiginoso crescimento. 


‘União é o caminho para o benefício de todos’

(Divulgação)

Tatiana Rosa Cequinel, presidente da EMBRAED Empreendimentos

“Balneário Camboriú é uma cidade muito jovem, e no início do seu desenvolvimento urbano, há 59 anos, sem a devida preparação, sem organização adequada, passou por um crescimento desordenado. 

Porém, o que era antes conhecido como um local de veraneio simples, com edifícios sem infraestrutura adequada, como um destino massificado, um centro de excursões e de ônibus de turismo, começou a mudar rapidamente o seu conceito, especialmente a partir de meados da década de 80 e de 90. Balneário Camboriú se tornou uma cidade cobiçada pelo público e investidores de alto nível cultural e poder aquisitivo, para moradia, aposentadoria, férias, fins de semana e interessados em rentabilidade pelo crescimento imobiliário. Isso tudo também impulsionou o crescimento de cidades vizinhas. 

Hoje é referência mundial na construção civil, já que une qualidade de vida, turismo, serviços, mobilidade urbana, localização estratégica, lazer e excelentes imóveis banhados pelo mar, além de edifícios belíssimos que se tornaram ícones nacionais. 

Claro que, por conta do rápido crescimento, existem desafios para equilibrar a infraestrutura com ações da iniciativa privada e a alta demanda de consumidores de classes A e A+. 

Porém, nos últimos anos, tivemos o privilégio de nos unir ao poder público e participar de forma direta dos projetos e das obras da cidade, todos juntos, em prol ao desenvolvimento. 

O alargamento da faixa de areia, a revitalização da Barra Sul e Norte, novos acessos e outras muitas obras feitas e que estão por vir como a nova orla da praia, novas atrações, sem falar nas melhorias da infraestrutura “abaixo da terra” são justificativas de que a cidade é diferenciada no Brasil, ela está de parabéns e irá crescer e se qualificar cada vez mais. 

Esta união prova que o pensamento em comum, das empresas, governo, comunidade e associações, que a união relacionada à sustentabilidade, envolvendo pessoas, infraestrutura e meio ambiente, é o caminho para benefício de todos. 

E é por isso que Balneário Camboriú está no topo do ranking de valorização imobiliária e desenvolvimento humano, e com índices bem acima da média nacional. 

Tenho orgulho de, por meio da EMBRAED desde 1984 – do nosso padrão exclusivo sempre acreditando e investindo em qualidade para moradores e turistas, e também das ações sociais do Instituto Rogério Rosa – de contribuir para qualificar a cidade cada vez mais. 

Parabéns Balneário Camboriú, “você” merece todo o nosso carinho e admiração”.


“É um desafio pensar de forma correta a nossa cidade”

(Arquivo Pessoal)

Alcino Pasqualotto, diretor geral da Construtora Pasqualotto e da Construtora Pasqualotto & GT.

“Balneário Camboriú tem uma grande vantagem por já ser uma cidade consolidada como o maior destino turístico do Estado de Santa Catarina, com grandes obras de infraestrutura realizadas nos últimos anos e ferramentas de entretenimento como como museus, aquários, rodas, parques, shoppings, comércio, restaurantes, eventos, além da Marina Tedesco, que reduzem a sazonalidade.

A cidade cresceu, a população fixa aumentou, e a infra-estrutura, saneamento, mobilidade,  lutam para se desenvolver em conjunto, porém o custo é alto, e a burocracia também… 

A verticalização residencial não é um fator de influência e sim os potenciais construtivos, pois hoje a prefeitura recebe um expressivo valor das construtoras por essas outorgas, na prática uma boa parcela dos terrenos privados pertencem à municipalidade.

Esses valores milionários têm que ser destinados para investimentos corretos, criando estrutura para que as pessoas se motivem a vir cada vez mais a Balneário Camboriú. O turista de segunda residência tem poder aquisitivo para pagar IPTU, gerar emprego e consumir na cidade. 

Acho que esse é o grande desafio de Balneário, ser direcionado para que os moradores tenham qualidade de saúde, de educação e segurança, para também estarem aptos a fornecerem os produtos e serviços que esses proprietários de segunda residência consomem.

Temos que ver Balneário Camboriú como um polo de prestação de serviços e de produtos de alto valor agregado, qualificar no aspecto humano além do material. Os recursos não podem ser totalmente direcionados para fazer obras de infraestrutura física, é preciso investir também para melhorar a qualidade de vida das pessoas, investir em escolas, oficinas e cursos.  

As administrações, em especial a atual, criaram mecanismos políticos e jurídicos para sustentar o desenvolvimento. Não vai decair o perfil de Balneário Camboriú, a gente vê os valores dos imóveis subindo cada vez mais. 

Temos que fazer um planejamento para os próximos 30 anos, é um desafio pensar de forma correta a nossa cidade. Os gargalos que temos hoje vamos ter que corrigir, a questão da água, do tratamento dos rios e se tivermos uma mentalidade adequada vai ser uma conta mais fácil de pagar ao longo do tempo”.


“Atualmente o maior desafio de Balneário Camboriú é a integração viária”

(Arquivo pessoal)

Leandro Ivan Pinto, presidente da CLN Empreendimentos Imobiliários

“Temas como saneamento, abastecimento de água e mobilidade por vezes são apontados como impedimentos à verticalização da cidade, em contrapartida, a horizontalização exige um maior número de ruas e pavimentação, infraestrutura de água e esgoto, transporte e investimento do poder público para alcançar as pessoas que residem mais distante. 

Vejamos os bons resultados em Balneário Camboriú, a indústria da construção civil é uma matriz econômica complexa com a geração de recursos que permitiram a melhoria das avenidas e é fonte permanente de empregos em Condomínios, para prestadores de serviços, para o entretenimento e a gastronomia. 

Os edifícios residenciais estão localizados em uma área inferior a 20% da extensão territorial da cidade, e a taxa de ocupação das unidades nos residenciais é inferior a 50% do empreendimento, com famílias pequenas, e que pouco fazem uso dos serviços básicos públicos (escola/posto de saúde), mas todos contribuem com a sua manutenção através do IPTU, taxa de coleta de lixo, taxa de iluminação pública, de abastecimento de água e saneamento.

Atualmente, o maior desafio de Balneário Camboriú é a integração viária e de transporte público intermunicipal para permitir o acesso as oportunidades de emprego e renda que temos para oferecer”.


“O crescimento precisa ser sustentável e planejado”

(Divulgação/PMBC)

Fabiano Mello, secretário de Planejamento Urbano de Balneário Camboriú 

“A construção civil em Balneário eu vejo, como o mercado também vê, com um futuro longo, com muito amadurecimento, e devemos continuar crescendo. A Atlântica e região central estão consolidadas, mas temos outros pontos para construir, para os nossos moradores, nos bairros, para aqui em Balneário acomodá-los, para que não precisem se mudar para as cidades vizinhas. 

A infraestrutura também segue isso, o Plano Diretor que temos aqui foi de 15 anos, e agora está sendo alterado. Se usar como exemplo o Bairro das Nações, mudou o potencial construtivo e o que foi construído é muito pouco em consideração ao Centro e é um ajuste que faremos no Plano Diretor, com prédios mais altos nos bairros e outro tipo de produto [prédios] para atender ao público. 

Desde as primeiras reuniões do Plano Diretor colocamos sustentabilidade em primeiro lugar, já que Balneário é a segunda menor cidade de SC e temos área verde bastante preservada que precisa seguir assim. 

O crescimento precisa ser sustentável e planejado, porque a infraestrutura precisa acompanhar. O investidor realmente temos em Balneário porque há imóveis muito valorizados, mas temos também o comprador que é morador temporário e vem aumentando o número de moradores pela qualidade de vida que Balneário proporciona. 

Nossa cidade é extremamente segura, mesmo quem tem imóvel e não consegue morar aqui ainda, quer vir morar no futuro. 

Vejo que o futuro de BC é próspero, temos muitas estratégias e vemos grande crescimento. 

Balneário é hoje fruto do Plano Diretor de 15 anos atrás e agora estamos com visão estratégica para o futuro, para que não se cometa nenhum equívoco”.


“Projetando Balneário Camboriú para o mundo”

(Foto Geneviève Bernardoni)

Jean Graciola, co-fundador e presidente do Grupo FG 

“Balneário Camboriú é uma cidade com muitos predicados e que vem atraindo cada vez mais adeptos ao seu estilo de vida. O olhar não é apenas de investidores, mas sim de famílias que estão cada vez mais escolhendo a cidade como sua residência. Os recentes investimentos em infraestrutura, como o alargamento da orla, a proximidade com rodovias, aeroportos, marinas e portos também contribuem para esse novo olhar para a cidade. 

Desde muito jovem, junto ao meu pai, olhava para a orla e pensávamos quais os limites para o desenvolvimento do destino e também da engenharia. 

Ao focar no futuro, o nosso anseio é por apresentar empreendimentos ainda mais inovadores, sempre com um olhar cada vez mais integrativo para a cidade e atendendo as demandas dos clientes. 

Essa proximidade nos permite antever as necessidades de mercado e também construir um futuro sustentável, investindo em tecnologia, sustentabilidade, parcerias público-privadas e desenvolvimento pautado no respeito. 

Temos alguns projetos em desenvolvimento e aprovação que irão colocar Balneário Camboriú no rol dos destinos com supertalls, ou seja, prédios com mais de 300 metros de altura. Hoje no mundo existem menos de 100 empreendimentos entregues. Um dos nossos futuros projetos com toda certeza será um legado, que está em fase de aprovação e que irá potencializar todo o mercado, projetando Balneário Camboriú para o mundo”.

- Publicidade -

“Uma cidade do futuro”

(Divulgação)

Laurício Leal, um dos sócios da Imobille, uma das maiores imobiliárias de Balneário Camboriú

 “Balneário Camboriú é uma cidade que se adapta rápido a todos, seja para viver, visitar e investir. Nos últimos anos, tivemos um grande crescimento populacional em diversas cidades litorâneas, e acreditamos que Balneário foi uma das poucas que estruturou-se na mesma velocidade. 

Foram muitas melhorias na urbanização, o alargamento da faixa de areia da Praia Central, quase 100% de saneamento, melhorias na segurança, qualidade das praias etc. 

A base da economia local segue no mesmo ritmo, o setor do turismo recebeu uma série de equipamentos turísticos, com destaque para a Roda Gigante que tornou-se no novo cartão postal da cidade e o Centro de Eventos, que atrai um grande volume de novas pessoas para a região todos os meses. 

A construção civil também se destacou pois trouxe grandes lançamentos de destaque nacional e até mesmo mundial, com arranha-céus que irão ultrapassar os 100 andares. 

BC é reconhecida por ser uma cidade a frente do seu tempo, por isso ela já conta com um Master Plan para prever o seu futuro, e através dele, pode-se identificar que ainda existe muita coisa legal por vir, e para que isso não fique só no papel, a cidade também conta com o BC Invest, grupo privado que tem como finalidade assessorar a administração pública no planejamento e execução de projetos e que também atua como meio de captação de recursos e atração de investimentos. 

Balneário Camboriú é uma cidade que está muito à frente do padrão nacional, e podemos classificá-la como uma cidade do futuro”.


“Verticalização é um desafio e uma solução para mobilidade”

(Divulgação/Sinduscon)

Carlos Haacke, presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civul (Sinduscon/BC)

“O futuro de Balneário Camboriú vejo de forma muito positiva. O desenvolvimento da cidade é acompanhado pelos agentes públicos e pela população, tendo as revisões do Plano Diretor como importante ferramenta para discutirmos nosso futuro periodicamente. 

- Publicidade -

Os investimentos em saneamento básico são constantes e, hoje, estamos perto dos 100% de cobertura em saneamento – o que nos coloca em uma posição bastante especial no cenário nacional. 

O abastecimento de água deu um salto em eficiência, tendo ficado no passado nossos problemas de fornecimento na alta temporada. 

A verticalização é um desafio, as cidades estão buscando na verticalização a solução para seus problemas de mobilidade, saneamento, e demais serviços públicos. Mas observo que temos enfrentado este desafio de forma bastante assertiva e focados no crescimento sustentável”.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -