- Publicidade -
- Publicidade -
19.6 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

“Sou a presença viva que nunca é tarde para começar algo novo”, disse o Rei 60+ de Balneário Camboriú

No início deste ano quando começou a pintar telas, o gaúcho Sérgio Graeff, 62 anos, que reside em Balneário Camboriú, não imaginou que em tão pouco tempo estaria fazendo exposições e recebendo convites para mostrar sua arte dentro e fora do país.

Há mais de três décadas se dividiu entre Brusque e Balneário Camboriú, onde vinha veranear ainda adolescente. Mas nos últimos 10 anos fixou residência na praia e há duas semanas tornou-se o Rei 60+ de Balneário Camboriú, em um baile promovido pela Secretaria da Pessoa Idosa, que frequenta regularmente.

Aos poucos ele foi substituindo a corretagem de imóveis, para se especializar em uma nova arte: a pintura em telas. Associou-se ao Grupo de Artistas Plásticos de Balneário Camboriú (GAP) e em pouco mais de quatro meses, pintou mais de 200 telas e realizou várias exposições.

- Publicidade -
(Foto Social Midian Emily)

Até o próximo dia 31, a exposição ‘Luzes da Primavera’ com 10 obras abstratas, está no hotel Marambaia. 

Depois, vai expor no Flamengo (RJ), vai levar sua arte em um leilão em São Paulo e vem acumulando convites para expor na Finlândia, Paris, Barcelona, Madri, algumas cidades de Portugal, Minas Gerais, Rio, São Paulo.

“No Brasil até estou expondo em outros lugares, mas fora do país não arrisquei ainda, porque o investimento é muito grande, despesas para mandar as obras, para ir e voltar, mas agora estão acontecendo exposições virtuais. Estou montando uma loja virtual www Graeffartes.com e ali disponibilizamos as obras”, disse.

Sérgio disse que é importante o hotel disponibilizar espaço para os artistas do GAP, o que poderia servir de exemplo para outros hotéis da cidade, que estariam oportunizando os artistas a divulgar seus trabalhos.

A arte não é novidade na vida deste gaúcho de Carazinho. Ele toca violão, canta, dança, faz escultura em madeira e agora descobriu as telas com uma técnica diferente. 

No desfile onde conquistou o Reinado 60+ (Foto Divulgação/PMBC)

“O negócio é fazer o que gosta e ser feliz”, disse o artista entrevistado desta semana. Acompanhe:

JP3 – Como explica esse vôo rápido no mundo das artes, começou em fevereiro e já tem várias exposições, mais de 200 telas pintadas?

- Publicidade -

Sérgio – Fiquei fascinado com estas técnicas que comecei a executar que é o acrílico derramado, são tintas que a gente vai derramando e vai fazendo várias técnicas que ela vai tramando em vários formatos diferentes. Comecei a fazer, é fascinante e viciante. Comecei a ver muitos vídeos na internet, infelizmente não tem no Brasil, só EUA, Nova Zelândia, Austrália, não temos os produtos no Brasil para fazer os efeitos e tive que fazer um estudo, buscar os produtos, tive bastante dificuldade, consegui desenvolver bastante coisa, fui melhorando e atingindo objetivos e efeitos que eu queria…Consegui informação de uma pessoa que dá curso sobre essa arte em São Paulo, fiz o curso, 120 aulas, fui aprimorando, aprendendo e descobrindo receitas de tintas, montagem de cores e misturas, tudo isso me ajudou muito. Conheci um pessoal que trabalha com quadros e montagem, eles fizeram telas em quantidade com preço bom para poder ter acesso porque é um material caro, acesso à compra de tintas no atacado com preço melhor, tudo isso foi incentivando. Aqui em Balneário conheci uma pessoa que trabalhou muitos anos com várias técnicas, busquei informações diferentes com ela, técnicas e materiais diferentes, cores e texturas, tive um desenvolvimento acentuado porque estou me dedicando muito mesmo.

JP3 – Onde busca a inspiração? 

Sérgio – Nas artes que vejo serem feitas, técnicas, efeitos, cores, me inspiro nesses artistas que usam estas técnicas e procuro fazer alguma coisa voltado a esses efeitos. Como é algo que vai acontecendo, fluindo, é arte fluída, o nome é esse, ela vai fluindo, eu quase não tenho controle sobre aquilo ali, vão explodindo bolhas, células, vão surgindo formatos que consigo conduzir até  um certo ponto e o restante vai acontecendo naturalmente. Me inspiro em cores, em obras, em artistas desse universo.

JP3 – Passou por diversas fases, porque vi tela com cavalos, e agora a exposição é de abstratos? 

Sérgio – São telas e impressões em canvas, faço um trabalho em cima dessa impressão. Uma parte da impressão está feita e trabalho em cima dela, transformo, uso materiais, jogo tinta e faço um trabalho especial em cima da parte de uma obra que já está impressa na tela. Mando imprimir na tela e depois faço um trabalho em cima disso, inclusive texturas. É outro tipo de arte. E o abstrato está sempre presente e algumas introduções no realismo com toque contemporâneo.

JP3 – Pinta todos os dias? 

Sérgio – Praticamente todos os dias e às vezes no entusiasmo entro madrugadas a dentro e não percebi o adiantado da hora,  é uma arte viciante e gera vontade de produzir cada vez mais.

O casal Sérgio Sestrem e Gertrudes Romani com o artista Sérgio Graeff (Foto Social Midian Emily)

JP3 – Qual a importância que a arte ganhou em sua vida? 

Sérgio – A arte sempre esteve presente na minha vida, eu canto, toco violão, já toquei piano, domino entalhe em madeira, trabalhei com decoração de festas, me saio muito bem na cozinha com salgados e doces, sou ótimo dançarino e atualmente estou me dedicando às artes plásticas, um universo que me propicia vôos incríveis e está me dando muita realização em executar obras que até a mim surpreendem ter conseguido realizar, já me disseram que tenho as artes nas minhas veias.

JP3 – É também uma demonstração que não existe idade para fazer o que a gente gosta, porque muitas pessoas chegam aos 60 anos e param de produzir, se acomodam etc….

Sérgio – Sou a presença viva que nunca é tarde para começar algo novo e pode se surpreender com os resultados, sentir essa energia boa, algo relaxante  e desestressante que faz um bem danado e oferece muita qualidade de vida.

JP3 – O que aconselharia para estas pessoas? 

Sérgio – Sugiro que as pessoas busquem algo assim, mesmo começando do zero, mesmo achando que não tem tempo, é  um processo rápido o resultado e conseguem realizar obras de arte com a orientação certa, as receitas adequadas das tintas, os produtos para acrescentar e obter os efeitos nas obras.

 Inclusive irei lançar um curso on-line onde vou ensinar passo a passo os segredos da arte abstrata fluida que desenvolvi e me tornei especialista nessa arte.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -